Em termos gerais, uma falha pode definir-se como o insucesso no cumprimento de um determinado objetivo ou expectativa.
Pelo que, para se definir uma “falha na lubrificação” é importante enumerar os objetivos que não foram atingidos em termos de lubrificação.
Os objetivos são, com muita frequência, atribuídos aos lubrificantes, no entanto, são suportados pelo método, sistema e práticas de lubrificação.De entre outros, os objetivos passam por:
  • O lubrificante possuir um filme forte que permita a separação das partes móveis para minimizar a fricção, desgaste e geração de calor excessiva.
  • O lubrificante deve atuar como um fluído de transferência de calor para arrefecer a máquina e os seus componentes, assim como, transferir força, executando trabalho em aplicações hidráulicas e hidrostáticas.
  • Permitir a remoção de contaminantes do lubrificante ou sistema de lubrificação através do método de separação.
  • O lubrificante deverá prevenir a criação de verniz e lamas no sistema, permanecendo no local mesmo após algumas limpezas nos componentes lubrificados e ainda simplificar e estender as atividades de relubrificação e inspeções protegendo contra a ferrugem e corrosão.

Ora, o alcance dos supra enumerados objetivos, consequentemente, contribuirá para o aumento do tempo de vida útil da máquina e a realização de uma operação fiável.

Sendo assim, quando um dos descritos objetivos não é atingido, podemos afirmar que estamos diante a existência de uma falha na lubrificação.

Note-se que o objetivo não alcançado pode representar um número de possíveis falhas que podem ser resultado de uma única causa ou de uma variedade de causas combinadas.

Estas causas podem ser geradas pelas (i) propriedades do lubrificante e sua performance, (ii) sistema de lubrificação, (iii) manuseamento do lubrificante e as práticas de aplicação, (iv) a operação da máquina ou (v) a presença de contaminantes no ambiente de trabalho.

É preciso ter sempre presente que uma falha na lubrificação poderá desencadear uma falha na máquina.

Por norma, as falhas presenciadas nas máquinas relacionadas com a lubrificação são de identificação fácil quando existe um problema catastrófico.

Contudo, noutros casos, a ligação a uma falha de lubrificação pode não ser muito evidente, o que se verifica (i) quando é combinada com outras questões mecânicas ou operacionais, (ii) quando a falha de lubrificação afeta a performance da máquina ou eficiência, mas produz um evento catastrófico ou ainda (iii) quando as práticas de manutenção mascaram problemas de lubrificação existentes (p.e., mudar os rolamentos com mais frequência para evitar falhas acentuadas).

Podemos, assim, concluir que é possível definir uma falha de lubrificação como uma avaria que ocorre quando estamos a tentar atingir os objetivos de lubrificação.

Em termos práticos, poderá definir-se uma falha relacionada com a lubrificação que compromete a fiabilidade da máquina ou o seu tempo de vida útil.

Por fim, é de relembrar ainda que este tipo de falhas nem sempre pode ser relacionado com as suas causas devido a excessivas práticas programadas, classificação incorreta das falhas ou devido a falta de informação suficiente para analisar o problema.